Martim Sousa Tavares

Martim Sousa Tavares

Activo principalmente enquanto Maestro, tanto na posição de Director musical como Maestro convidado, conta colaborações com orquestras de oito países e algumas das principais orquestras nacionais. 

Recentemente, estas incluem a Orquestra da Rádio da Roménia, Orquestra Gulbenkian, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra do Algarve, Orquestra Filarmonia das Beiras, Orquestra do Norte, entre outras. 

Assumindo um compromisso com a equidade na programação musical, mas também com a descentralização e a acessibilidade radical no acesso à  música clássica. Por essa razão, tem gosto em dizer que já dirigiu orquestras em cidades como Rio de Janeiro, Madrid, Chicago, São Petersburgo, Milão ou Lisboa, mas também - e com igual entusiasmo - em locais como Rapoula do Côa (Sabugal), Orjais (Covilhã), Colmeal da Torre (Belmonte), Atalaia do Campo (Fundão), Benquerença (Penamacor), Carvalhal Redondo (Nelas) ou Pínzio (Pinhel). 

Com a Orquestra Sem Fronteiras, que fundou, venceu em 2022 o Prémio Carlos Magno para a Juventude, uma iniciativa do Parlamento Europeu para premiar os valores de união na Europa, o Prémio Carlos de Pontes Leça da Fundação Mirpuri e uma menção honrosa do prémio Portugal Justo da Fundação Manuel António da Mota. 

Em Maio de 2024 lançou o seu primeiro livro, "Falar Piano e Tocar Francês", que em menos de um mês teve três edições. 

 

// EN

Active primarily as a conductor, both as a Music Director and guest conductor, he has collaborated with orchestras from eight countries and some of the leading national orchestras.

Recently, these include the Romanian Radio Orchestra, Gulbenkian Orchestra, Metropolitan Orchestra of Lisbon, Algarve Orchestra, Filarmonia das Beiras Orchestra, and North Orchestra, among others.

He is committed to equity in musical programming, as well as to decentralization and radical accessibility to classical music. For this reason, he takes pride in having conducted orchestras in cities such as Rio de Janeiro, Madrid, Chicago, St. Petersburg, Milan, and Lisbon, but also - with equal enthusiasm - in places like Rapoula do Côa (Sabugal), Orjais (Covilhã), Colmeal da Torre (Belmonte), Atalaia do Campo (Fundão), Benquerença (Penamacor), Carvalhal Redondo (Nelas), and Pínzio (Pinhel).

With the Orchestra Without Borders, which he founded, he won the 2022 Carlos Magno Prize for Youth, an initiative of the European Parliament to award values of unity in Europe, the Carlos de Pontes Leça Prize from the Mirpuri Foundation, and an honorable mention from the Portugal Justo Award from the Manuel António da Mota Foundation.

In May 2024, he published his first book, "Falar Piano e Tocar Francês," which had three editions in less than a month.

DEBATE | Decidir: A Arte de Saber Ouvir

Numa realidade cada vez mais incerta e ambígua, extremamente ruidosa, a decisão é cada vez mais difícil. O impacto das escolhas é cada vez maior. É preciso parar, escutar. A pressão do tempo, a necessidade de urgência, não se alinham com uma análise detalhada, informada e ponderada que exige tempo e silêncio. 
Quantos são os líderes que sabem ouvir? Há no silêncio das pessoas um tremendo ruído. Saberão os líderes ouvi-lo? E quando as pessoas falam, entenderão os decisores as suas palavras? Mais ainda, há bloqueios auditivos que fazem com que se oiça apenas o que se quer ouvir. Essa espécie de patologia leva os líderes para o caminho da alienação, como evitá-lo? Como conseguem os líderes encontrar o equilíbrio na tomada de decisão? Como pode um líder silenciar-se para ouvir o mundo? Ler no poema a frase que não está lá é talvez uma das competências que faz a diferença. Será isso o tal carisma de quem decide? Saber ler o que não está escrito?

 

Debate com: Luís Rodrigues, Presidente da TAP, Raul Neto, CEO da Randstad, Armindo Monteiro, CIP

Moderado por: Martim Sousa Tavares, Maestro